Agora que está oficialmente lançado o Vista, virou moda comentar o tema, ou ponderar se vale a pena ou não trocar; falar bem ou mal da nova menina dos olhos da Microsoft.

Mas não me lembro de ter visto algo realmente útil como esse teste publicado no Tom’s Hardware Guide, numa análise extensa, com diversos processos e softwares usados no dia a dia.

O resultado: um dedo na vista, digo, uma dedada no Vista. Claro, minha opinião não é isenta, pode-se dizer. É de um usuário Linux. Mas também sou usuário avançado de Windows, desde a versão 2.0 (Sim! Houve uma versão 2.0!). E não tenho absolutamente nada de objetivo contra, exceto que a) hoje percebo como eu era tolerante a travamentos bisonhos e b) a partir do XP, meus micros pareciam sempre obsoletos diante do consumo de recursos do OS proprietário…

São avaliações subjetivas, é fato. Mas tenho a impressão de que, com o Vista, minha queixa b) ganharia reforço.

Agora, o que acho no mínimo curioso é que, num teste feito com um equipamento acima das recomendações mínimas para o Vista, o XP tenha se saído melhor. Também não creio que seja o fim do mundo. Acho mesmo bem possível que haja embutidas no novo sistema operacional soluções e tecnologias para as quais ainda aparecerão novos drivers, programas e/ou novos hardwares (epa, as coisas não estão se invertendo aqui????)… Afinal, a velocidade de lançamento de novidades não é o forte dos caras lá de Redmond, e todo S.O. vem de lá com o desafio de se manter líder de mercado durante um bom tempo.

A questão é que, até lá, e enquanto isso não acontece, o usuário final já estará lidando com problemas dos mais corriqueiros, às voltas com instalação problemática do antivírus, do jogo 3d etc. E é aí que mora o perigo para o Vista…

Certa vez um amigo me disse que o XP era o matador dos S.O.s já feitos pela Microsoft. Com estabilidade superior à do Windows2000, com a simplicidade e leveza comparáveis à da versão 98se. Isso na “categoria dos windows”, prá ter em casa, dizia ele (que, bastante preocupado com segurança, sempre usou — e usa até hoje — FreeBSD em seus servidores). Pelo jeito, continua sendo… Mas vá lá… Depois que a gente passa dos trinta acho que sempre tem aquela tendência de começar a ficar saudosista…