O mensalão e a armadilha ética

0

redimensionaA-209x300Eu li boas partes da Ação Penal 470. Vários extratos, íntegras, resumos, anexos que circularam nos mais diversos meios. Não, não li os autos na plenitude. Mas tive acesso a bastante material. Me ative demoradamente aos argumentos de acusação, defesa e embasamento de decisões. Assisti às (espetaculares) sessões da Corte, o Supremo Tribunal Federal. E, fundamentalmente, eu conheço profundamente como funciona a máquina política. Por isso contínuo perplexo com o desfecho do processo que acabou chamado “mensalão”.

Quem pesquisou um pouco mais a respeito, logo percebe que a alcunha “mensalão” fez dar ao caso um sentido que até o final não restou provado. Sedento por justiça, cansado de políticos corruptos e de saco cheio de ser feito de palhaço porque tudo acaba sempre “em pizza”, o brasileiro médio fala e reproduz o termo “mensalão” sem verdadeiramente saber o que significaria: a alegação de compra de votos, sistemática, no Congresso, com dinheiro público supostamente desviado por meio de corrupção.

 

(mais…)

O novo Marketing Eleitoral nos novos tempos da Lei da Ficha Limpa

0

A chamada Lei da Ficha Limpa, como ficou conhecida a Lei Complementar 135/2010, transformou as eleições municipais de 2012 num campo de batalha judicial. Conquanto a determinação da aplicabilidade ou não da lei para um candidato seja um critério exclusivo da Justiça, a nova legislação teve um impacto definitivo no planejamento e execução de todo o marketing das campanhas eleitorais.

Dado o alto número de candidatos com problemas de rejeição de contas e outros processos que fizeram deles alvos da aplicação da Lei da Ficha Limpa, diversas cidades tiveram processos eleitorais bastante complicados, dependendo de decisão judicial para o prosseguimento de cada etapa da campanha.

(mais…)

Toque de recolher em Osasco: boato

0

No meio desta noite (25), um boato começou a se espalhar rapidamente no Facebook. O Rodrigo, nosso diagramador no Jornal Visão Oeste pergunta — vocês estão sabendo do toque de recolher em Osasco? Caramba! Não!
A informação era de que criminosos teriam decretado toque de recolher em Osasco. O alvo seriam bairros da zona sul, próximos ao Pestana. A escolha do local não seria à toa: dias antes um bar no bairro tinha sido palco de um ataque por bandidos em motos que mataram 3 pessoas e deixaram outras 5 feridas. O objetivo parecia ser um único sujeito, mas os matadores covardemente mataram também uma mãe que abraçou a filhinha de apenas 7 anos e evitou que ela levasse três tiros, além de outro homem que, segundo a história veiculada, nada tinha a ver com o acerto de contas.
Esse pano de fundo provavelmente serviu de lenha para alimentar a histeria coletiva que se instalou nesta noite. A fonte primária era a Internet. Um perfil público de fãs da cidade dizia que a Delegacia do Pestana teria recebido denúncia anônima avisando do toque de recolher. E todo mundo estava repassando assim a informação.
Estudantes — que deixaram suas escolas nos horários habituais — foram para a rede depois de chegar em casa com histórias sobre encerramento de aulas mais cedo ou fechamento de faculdades e universidades…
Com a esposa e duas filhas preocupadas em casa, fui direto à fonte da informação: a Delegacia do Pestana. É fácil confirmar (ou descartar) esse tipo de boato. Uma ligação. Foi o bastante para o plantonista atender, às 22h30, e afirmar que não havia lá qualquer informação de ataques ou denúncia anônima. Tudo calmo.
Mas até aí, a rádio peão já tinha se encarregado de espalhar o caos…
Como postei no Facebook, o problema desse tipo coisa é a origem da fonte da primeira informação. As pessoas que recebem a história precisam parar e se perguntar, a elas próprias, se ouviram de alguém que ELE PRÓPRIO tinha visto, em primeira mão, o autor das ameaças ou algo equivalente, ou se, como sempre, ouviram OUTRO ALGUÉM QUE TERIA DITO. Faz a maior diferença…
PS. Enquanto termino estas linhas, o amigo José Ricardo, que fez com o grupo OzBikers o tradicional passeio ciclístico das quintas-feiras, informa que acaba de chegar depois de pedalar por toda a cidade com o grupo e nada viu de anormal. Tudo calmo, de novo, na terra de Oz…

“Eleitor de malandro”

0

O folclore (e o machismo) brasileiro criou, no passado, uma figura de linguagem discriminatória que vez ou outra se pode ouvir até nos dias atuais, apesar da Lei Maria da Penha: é a “mulher de malandro”. Eternizada na voz de Francisco Alves, a mulher de malandro sofria nas mãos do parceiro, do qual não conseguia se separar. Era exposta a toda sorte de humilhações. Naquela época, malandro tinha uma conotação diferente. Não era bandido. Era o preguiçoso, que não provia o sustento da casa. O boêmio que curtia a vida nos bares; homem de muitas mulheres, que não cumpria com suas obrigações para com o lar ou a família. E, apesar disso, suas parceiras, oficiais ou amantes, não conseguiam deixá-lo.
(mais…)

Opção por outro SO: Windows 7

0

Não cheguei a comentar, aqui no blog, a descisão no passado recente (dois notebooks atrás) de experimentar usar o Windows 7.

Pois é, traí o movimento. :-) Por 10 anos utilizei o Linux. E ainda utilizo em algumas máquinas desktop. Mas nos meus dois últimos notebooks, acabei usando o software que veio. Primeiro, o espartano Windows 7 Starter. No mais novo, a versão Home Basic.

Não houve uma razão bombástica. Apenas que precisei colocá-los em uso na correria do dia-a-dia o quanto antes, e não me dispus a perder um tempão trocando SO e reconfigurando drivers. Até porque, mais com o anterior que com o atual, são notebooks modestos, componentes genéricos, que nem sempre têm bom suporte – por culpa dos fabricantes – ao Linux. Confesso que estava bem com Mandriva, exceto por um ou outro pau nas atualizações, rapidamente resolvido com uma busca nos fóruns.

Mas mudança de notebook sempre era traumática. Era sempre um tal de SiS (vídeo) que furava, ou o driver da câmera que dava pau. Sem falar na exigência maior de uso de softwares de editoração eletrônica e criação vetorial (Corel, Indesign etc), que acabava demandando uma mamobra danada em virtualização e/ou Wine e/ou perda de tempo em dual boot. Ah, sim, optei pelo caminho mais curto. Ao menos temporariamente.

E isso, se tem vantagens, também tem um custo. Por exemplo as recriações de ambientes de desenvolvimento Web (PHP, MySQL, Apache) são mais chatas. Funcionam. Não como no Linux, mas dão pro gasto. Neste momento, gasto menor que trocar o SO todo, é fato. E as personalizações. Sobretudo no primeiro note, que usava o Windows 7 Starter. São caminhos tortuosos, quando não dificultados (caso específico da versão Windows 7 Starter), o dó. Mas beleza, já me adaptei.

Só sinto falta mesmo é da facilidade de instalação de programas no linux, via urpmi ou apt-get. Era bem mais simples e direto.

Retomada, tempo e ferramentas

0

image

Vou tentar retomar as atualizações deste blog. Faz tempo estou ensaiando, mas ando completamente sem tempo. Agora tenho algumas ferramentas bem legais à mão. Continuo sem tempo, aliás, com menos ainda, mas quem sabe com um pouco de disciplina, aliada às ferramentas adequadas, eu consigo.
Uma destas ferramentas é meu novo brinquedo android, um Atrix, da Motorola. Se bem que é uma injustiça chamá-lo brinquedo. Com ele e comigo. Primeiro porque realmente se tem algo que faço muito pouco no celular é brincar ou jogar. Quando muito, suporto alguns minutos de Angry Birds. Além disso, o aparelho é realmente muito mais do que uma plataforma de jogos. A tela grande, de resolução surpreendente, se não necessariamente estimula, ao menos não chega a desestimular totalmente a escrita. Com a boa performance da escrita Swype, quase me faz lembrar dos bons tempos do Graffiti no Palm IIIxe. Sim, o bom e velho monocromático. Porque a partir daí, nem as telas, nem o graffiti, nem minha acuidade foram as mesmas.
A vantagem agora e que dígito apenas com os dedões ;)
O Atrix é meu segundo Android. O SO da Google me fisgou já no problemático Dext. Não pela experiência em si, que só foi melhor a partir da customização com uma rom cyanogenmod 7, mas pela promessa. Aliás, a “promessa” Motorola com sacadas geniais, mas execuções “meia-bocas”, já havia me encantado antes, com o a1200 ;)
De lá pra cá, tem sido uma relação de amor e ódio: venho amando o que é possível fazer com os celulares Motorola, mas odiando o que a Motorola faz com seus aparelhos (e consequentemente com seus donos). Sim, principalmente no que tange às atualizações. Mas de certa forma, vá lá: quem acompanha o mercado sabe que o problema aflige praticamente todos os fabricantes. O grande #fail da Motorola é realmente o descaso com o consumidor brasileiro: promete atualização e volta atrás, atualiza lá fora e dá uma banana para os brasileiros. Quem sabe isso muda com a aquisição pela Google…
Bom hora já deu, né? Texto demasiado longo pra ser escrito no celular, não? Pois é, mas foi :-)

Qualquer som do celular pelo fone bluetooth mono

7

 

Ouvindo músicas, vídeos e podcasts pelo fone bluetooth mono

Ouvindo músicas, vídeos e podcasts pelo fone bluetooth mono

Ando me divertindo com programa para Android que permite ouvir qualquer coisa do celular usando o fone bluetooth. Chama-se BTMono e uma de suas versões é gratuita no Market. O link e o QRCode para download direto estão ao final deste post.

Antes que alguém se proponha a fazer uma correção, um aviso: não, bluetooth não foi feito para isso. Na verdade foi, mas os celulares não. A maioria dos celulares trata esses nossos bt’s baratinhos (às vezes nem tanto), chamados mono, como meio de transmissão apenas para as conversas de voz. Embora existam de fato limitações na qualidade do áudio, acho mesmo que foi um complô uma forma dos fabricantes de nos forçarem a comprar garantirem uma qualidade maior usando fones bluetooth stereos com um sistema conhecido como A2DP, que são bem mais caros.

No meu celular anterior, que era linux mas não era Android, eu conseguia isso fazendo uma gambiarra matando um processo com o BT ligado e o áudio rolando. No Dext – que, aliás, tá rodando Android 2.3.4 “Gingerbread” (viu Motorola?!), graças à rom Cyanogenmod 7 – não preciso de malabarismos. Ligo o BTMono e ponho o player a executar o que for. Bem prático.

Há uma versão paga, “premium”, que acrescenta firulas funcionalidades. A mais importante talvez seja a capacidade de rearmar após atender uma ligação (a gratuita não faz isso). Por um US$ 1, se você usar muito o fone, talvez valha a compra. Não é exatamente o meu caso. Ainda.

QRCode para download do BTMono direto no celular

Notebooks BBBs: básicos, bons e baratos

0

Há cerca de trinta dias aproveitei uma oferta do hipermercado Extra e mudei meu hardware. A idéia era ampliar a quantidade de espaço em disco e melhorar um pouco o desempenho. Não sou um “gamer”, ávido por recursos 3D em uma supermáquina, mas algumas características da antiga máquina, um CCE básico com processador Celeron, já estavam pedindo reforço.

Hoje em dia a oferta de notebooks de baixo custo, sobretudo de três empresas — CCE, Positivo e Sim — é muito grande. E meu último notebook me fez perder definitivamente o preconceito em relação às máquinas baratas dessas marcas: o desempenho, proporcionalmente às suas configurações, não foi lá muito diferente de um Acer e um HP anteriores. (mais…)

Wikileaks talvez seja a prova que Stallman não exagerou

0
Richard Stallman

Richard Stallman, por Gisleh, no Flickr

Quando Richard Stallman, guru xiita do software livre, diz que usar o Chrome OS (ou qualquer sistema onde todos os dados do usuário estejam nas núvens) é uma estupidez, talvez ele não tenha dito um completo exagero. A maior prova disso é provavelmente a perseguição do governo norte americano ao site Wikileaks e seu fundador, Julian Assange.

Mas o que tem a ver o Wikileaks e a computação na nuvem? Nada. Os documentos, que têm cópia offline, físicas, podem migrar de um servidor para outro, podem ganhar centenas, talvez milhares de “espelhos”, justamente porque não se apoiam numa solução centralizada, do tipo caixa preta.

Em última análise, é esse tipo de solução que o Google – ou qualquer outro sistema de “nuvem” – vai prover. E não há garantias de que um sistema desse, em caso de contenda legal, não sucumbirá à pressão de um governo ou de alguma corporação obscura.

(mais…)

Finalmente, migrei pro WordPress

0

Fazia tempos estava ensaiando. Agora, finalmente, tomei coragem e fiz. Dei fim ao irritante spam que veio no pacote de instalação do b2evolution e migrei todo o blog para a ferramenta WordPress.

Fiquei meses — talvez anos, se contar os posts de enrolação — para voltar a escrever. Não porque não tivesse temas ou opiniões que quisesse expressar. Ao contrário. De certo que a escassez de tempo (ah, sempre a mesma desculpa!), também tenha contribuído. Mas em verdade, o que andava me tirando do sério era a completa incapacidade do b2 em lidar com o spam. Sobretudo em trackbacks.

Nos últimos meses, eu ficava horas limpando a sujeira. Sim, horas. Até que, num determinado momento, desisti. Total e completa resignação. Abandonei meu blog às traças. Não, aos trackbacks de spammers.

(mais…)

  • abril 2014

    seg ter qua qui sex sáb dom
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    282930  
Go to Top